Dia da Consciência Negra: Vamos dar um basta no racismo dentro e fora de campo!

O instituto Observatório da Discriminação Racial no Futebol fez um mapeamento dos casos de racismo no esporte e produz relatórios anuais desde 2014. 60 casos de racismo aconteceram nesta temporada. Ainda segundo a ONG, 42 casos foram registrados no Brasil, 13 no exterior envolvendo atletas brasileiros e cinco nas competições sul-americanas. Este número é alarmante e superior aos anos anteriores. 



Para Marcelo Carvalho, presidente do instituto, a situação mostra que os jogadores estão tendo coragem e consciência para denunciar. Porém, diz ele, não é só isso que explica o crescimento nos registros. “São duas coisas paralelas. Existe um maior encorajamento dos atletas negros para denunciar e também existe grande quantidade de pessoas que expressam seu preconceito nos estádios”, disse.

O que provoca alento em Carvalho, que também é negro, e em outros pesquisadores é que ao menos haja agora um questionamento maior em torno do tema. “Hoje, é diferente, felizmente. Contudo, como as federações e os clubes continuam empurrando o problema com a barriga, acabam autorizando a reincidência”, afirmou o pesquisador.

Marcelo Carvalho, que continua fazendo seu trabalho de formiguinha computando cada caso, vê papel fundamental especialmente dos clubes. “A sociedade brasileira precisa se reconhecer como uma sociedade racista para, enfim, trabalhar contra o racismo”, disse o pesquisador. “É impossível a gente tratar de uma doença se a gente não acredita que tem essa doença”, concluiu.

Fonte: Folha de São Paulo e Observatório da Discriminação Racial